Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Rasante

Rasante

O plafonamento socrático destas eleições

 Já estou a preparar-me para as próximas eleições..

fotografia de JP

 

O show must go on? Parece que sim. E vamos lá saber porquê. Mas do quero mesmo falar é da Campanha para as Legislativas, que decorre com uma espécie de plafonamento socrático. O Engenheiro Sócrates quer ir agora a prolongamento e penalties? (o DN de hoje explica muito bem o que aconteceu ontem). Temos pena. Só o pus no título, porque a marca vende, e eu quero ser ouvida. É a banalidade deste meu blog. A grande pouca vergonha de querermos falar uns com os outros.

 

A Campanha então. A Democracia é um valor inestimável. E mais ainda o é, se ativada; se na base se oferecer uma informação transparente e total, sem tirar nem pôr; uma formação educada. E last but not the least, o primus inter pares é a vocação política "encarnada", para a "execução" do Bem Comum. Seria tão bom! Para o teu, e para o meu bem.

 

Campanha:onde estás, de onde vens, para onde vais? "Conhece-te a ti mesma!", ouve-se no templo em pleno coração da Grécia. O bom senso - outro inestimável, muito prático, sempre à mão - pede razoabilidade nas despesas, na forma de se "dialogar", no esgrimir de argumentos e pontos de vista, largos (humanos) de preferência, sem nada por de parte, por esquecimento,ou porque "não cabe",ou é demasiado complexo para se abordar. "Esquece", oiço tantas vezes...

 

A Campanha: o que vejo? Eu sei. Entra pelos olhos adentro que a justiça é quase sempre feita de justiças.Coloridas de penas e pesares que não dão a cada um aquilo que é seu. Não precisamos de utopias, eu sei. Mas sei que melhor é possível. Vejo que a Campanha é uma burricada se nela passa apenas gente afiambrada. Sei muito bem quem tem a mão no meu bolso.

 

Shakespeare e Ralph Fiennes dão tudo

 Ralph Fiennes diz o soneto 129 de Shakespeare/ video tirado da net

 

Não é só por causa do "to be or not to be". É a poesia. Meu Deus, ninguém até agora soube como Shakespeare por os sentimentos a preto e branco, e com as tonalidades de todas as cores, em forma letrada. Ontem mostraram-me o soneto 129. Porque o achei dos mais fabulosos,  fui ao google para saber mais e há rios de análises e mais análises. Não tenho por isso qualquer pretensão ou intenção de as ler. Fica sim comigo um soneto que descreve o céu e o inferno, o espírito e a matéria, o homem e a mulher, o amor e o sexo, a natureza e a graça, a liberdade, a felicidade e o tempo. Prazer e dor, e mais do mais que houver. E um Ralph Fiennes genial também.

BY WILLIAM SHAKESPEARE

"Th' expense of spirit in a waste of shame
Is lust in action; and till action, lust
Is perjured, murd'rous, bloody, full of blame,
Savage, extreme, rude, cruel, not to trust,
Enjoyed no sooner but despisèd straight,
Past reason hunted; and, no sooner had
Past reason hated as a swallowed bait
On purpose laid to make the taker mad;
Mad in pursuit and in possession so,
Had, having, and in quest to have, extreme;
A bliss in proof and proved, a very woe;
Before, a joy proposed; behind, a dream.
All this the world well knows; yet none knows well
To shun the heaven that leads men to this hell."
 

O debate Passos-Costa: será preciso despi-los?

imagem tirada da net

 

5ª feira é o debate nas Rádios, temos dois ouvidos, pode ser que se perceba melhor. Mas regresso ao da Televisão.

Era o frente a frente decisivo entre Passos e Costa. Em direto. Ambos "perderam", e mais os três jornalistas (saudades cá de umas boas perguntas que não vão atrás nem do que vende, nem do que não é essencial, neste caso na política; e esta coisa moderna do tempo, segundo minuto a minuto que cada um rouba ao outro; como se isto fosse ao metro; se se contasse o tempo que eles perdem a contar o que se pode contar....não contem comigo para isto). Perdemos todos. Todos, todos, menos o da Joana. Realmente o Rei vai nu (o poder é por natureza monárquico, absoluto). Eu explico.

Não sou maquiavélica, mas os argumentos que Joana apresenta para aparecer nua e de barriga com o pai do filho que é deles (ele também se podia ter posto um pouco mais exposto, mas isso agora não interessa), em nada compromentem o que penso de meios e fins. Há pontos que sublinham o que anda esquecido, ao arrepio do que parece feio fazer-se. E que mal tem o corpo, que não possa estar numa capa? Digo de outra maneira: sou mais da matéria informada, do que de formalismos. Numa palavra: o essencial anda esquecido. É este o ponto daquela mulher cuja política só lhe pode estar colada à pele. Quem pense que as coisas se dividem de forma absoluta, engana-se. As divisões tem uma dimensão formal, como dizer "trabalho é trabalho, conhaque é conhaque".  E é bom que assim seja.

 Voltando à TV, estavam afinal todos nus, vestidos às cores e panejamentos da ocasião. Quem dos dois ou quem dos jornalistas perguntou ou levantou o nível? As perguntas? A política? Cultura? Europa?  (e os refugiados?...) Economia?Defesa? Social? Educação. Apenas uma pitada de segurança social e de saúde. Passos podia muito bem não se limitar a estar à  defesa, pois tinha razões, factos e pano para mangas. Costa dirigiu o andamento ao som de uma demagogia irónica, esperta e mentirosa (a demagogia é; ele? não entro em intenções, só sei que uma coisa é a mentira, outra o mentiroso, etc.). Como se não pertencesse ao mesmo partido daquele que foi o centro das atenções - mais uma vez - e que deixou o país como sabemos: Sócrates.

O debate foi um exame à governação, mas com espingarda de curto calibre. Um programa de jovens e mais não sei quê que falhou? Aqui calo-me, porque falar de jovens faz-me arrepios. Passos permaneceu na resposta ao rasteiro ataque e não soube ser o que é. Mesmo assim, e de certo modo, ele ganha.Sob fogo durante quase duas horas, sem que se reconhecesse a mínima coisa boa em quatro anos de governação, soube não fugir, procurou responder ao que era perguntado, e reconhecer aquilo em que errou. Querem que faça um bom boneco ou que o dispa em direto?

Quem deixou o País neste estado? Não, não é preciso ir a Adão e Eva. Paro no Largo do Rato e é quanto basta.

Gosto mais de Sócrates de brincos ou colar...

O meu heterónimo "não te conheças a ti mesma" é uma segunda natureza. Gera-se e sai quando menos espero. Alegrei-me com o facto do autor do livro - escrito em inglês,  presumo que não técnico...- que é uma tese defendida na Science Po (ou Poucachinha), ou wanna be tese, esteja agora, desde ontem sem pulseira. (Um à parte :  foi Maria Filomena Mónica, na edição do Expresso de 22 de Agosto passado, que de forma rigorosa - bom jornalismo!!!!!! -, magnífica, tratou deste assunto da tese ou livro, ou assim.) Comigo alegraram-se todos os que consideram este novo estádio socrático ( e porque não até "comptiano") emergente ontem, e, note-se, não daqui a meia dúzia de dias, uma benção para para o ambiente de campanha;  isto no pressuposto de que a democracia é um bem que todos se esforçam por promover.

 

Não tendo nascido ontem, e saindo agora daquele heterónimo, nada disto me soa bem. Sócrates está livre, não usa já aquela coleira de pulso eléctrico/a. Sócrates é mesmo  um brinco, ou um brincar connosco; ou um colar, mas que já não vai pegar. Vai estar por aqui, mas já nada é igual. Fico triste, muito triste com estes directos televisivos tão pouco avisados, a darem-nos, em directo também, a nova morada do homem que saiu de Évora e que agora já pode encomendar pizza em Lisboa (quelle merveille!). Com número de porta e tudo. Se eu lá quiser ir ou fazer uma manifestação, são dados porreiros. Tristeza eu estar aqui a perder tempo com isto. Tristeza os rios de tinta que se gastam neste nada que parecer ser tudo. O mito.

 

Num tempo que precisa de debate, de argumentos e de paz para que se escolham os melhores para nos conduzir no bem comum, andamos a brincar às bonecas. E se decidissemos ir fazer o que ainda não foi feito?

Gustavo Santos: músculos e best sellers

 imagem tirada da net

 

Caro Gustavo

 

conheco-te do facebook e já noutra ocasião escrevi sobre os teus livros e disse que dizias frases verdadeiras. Simplesmente não gosto do teu populismo,moralismo, isto é, da tua falta de argumentos. Ainda ontem apareceste no meu feed de notícias a dizer esta: "(...) A educação que tiveste já não é desculpa para nada. Perdoa quem tens a perdoar e põe-te a mexer. (...)" in "AGARRA O AGORA". Apeteceu-me perguntar-te: porquê  e para onde? Mas se calhar o que tenho mesmo é inveja  dos teus músculos e da quantidade de livros que vendes. E posso dizer-te que às vezes aprendo contigo. Ontem, por exemplo. E tu,  se quiseres aprender alguma coisa comigo lê o meu livro "RASANTE".

 

E hoje quero escrever como tu e dizer:" Quanto queres mesmo uma pessoa, corre e alcançarás. Se não correste é sinal de que não a queres assim tanto. Deixa e segue mas é o teu coração. Não te mexas."

E para ser verdadeira contigo, digo-te já que não vou comprar os teus livros. Mas tenho a certeza que com o que escreves empurras muita gente para uma auto-ajuda preciosa; sei que o erro é, como diz Chesterton, " uma verdade enlouquecida", e que todas as filosofias têm razão, só que umas têm mais que outras. Não me leves a mal. Leva-me até a bem. E agradeço-te o pensamento de ontem. E vou passar a fazer como tu: por no meu facebook algumas frases do "RASANTE" e outra soltas, assim como aquela que pus acima, ao teu estilo. Olha, agora lembrei-me desta: "Pensas que és mais que os outros? Estás enganado ou enganada. Todos somos de um valor inestimável." Sabes dizer porquê, qual a razão, Gustavo? Aposto que não. Mas não faz mal. Vamos mas é agarrar o dia, que o resto vem por  acréscimo.

com toda estima

 

Fátima

Sou nudista não praticante

 Henri Cartier Bresson / imagem tirada da net

 

Já viu um nudista não praticante? Eu não. Até agora só vi nudistas. E não sou praticante. Não sou nudista, quero eu dizer. Até posso vir a ser. Se tiver razões para isso. Vem isto a propósito da expressão "católico não praticante", que muitos utilizam ao posicionaram-se no quadro das religiões. Dizem-me isto quando eu digo que sou católica, que vou à missa e o resto. Podem dizer. Como eu também o posso. Cada um é o que escolhe. Mas não faz pleno sentido dizer "católico não praticante". Usa-se o adjetivo para dar mais força a essa auto-declaração? Porque sempre são 3.000 anos "às costas"! E com cremação ou sem ela, quando um dos nossos morre, lá se chama o padre, não é?

Eu percebo o sentido que se quer dar: alguém, batizado ou não, quer dizer com essa expressão que tem determinado apreço por certos valores "católicos", mas que não aceita tudo o que o Vaticano diz. Mas para apreciar e seguir esses valores não é preciso ser católico. Qualquer moral os apregoa: amor, justiça, paz, e os outros todos.

O que oiço mais de quem assim se designa é: a Igreja está cheia de contradições; o fausto, pompa e circunstância; as riquezas em geral; a pedofilia; os padres que têm amantes; a inquisição; e mais, muito mais. Mesmo assim não tem sentido. É como se alguém dissesse: eu sou nudista, mas não sou praticante. Mas não é bom. É bom ser-se plenamente uma coisa. Ser benfiquista assim-assim, por exemplo, não tem graça nenhuma. Quando ele perde, na minha casa cai o Carmo e a Trindade. Mas ninguém é obrigado a ser isto ou aquilo. E como pessoas valemos todos o mesmo. Qual o mal em ser católico, ou não o ser? Onde está a liberdade religiosa? E não me venham com os fantasmas do passado. Neste ponto todos temos culpas no cartório.

É costume dizer-se que para uma boa diplomacia há dois assuntos que devem ser evitados: religião e política. Vou a muito sítio e confirma. Fala-se de tudo, menos disso. Há que ser politicamente correto. Como se fosse possível viver tirando a pele: a da política e a da religião. Eu percebo que se possa viver sem querer tomar posição; o que redunda numa posição também. Mas como optei por refletir estas coisas, sou politicamente incorreta. Se vem a propósito, abordo tudo. Às vezes também o faço quando parece não vir a propósito, como hoje, se calhar, agora aqui.. Ou seja, não faço questão de começar a atirar para matar, mas considero mais humano não fazer tabu de certos temas. Uso a "razão". Nasci com ela. E aplico-me à argumentação. Na praia onde descansamos, ainda sabe melhor. E vai mais um mergulho.

É bom ser-se plenamente de uma coisa, dizia eu. Pois é, a minha família (a começar por mim) está cheia de contradições. Mas eu não a trocava por nada. Tenho orgulho nela. Por ser a minha. E não me calo. O segredo e a intimidade é outra coisa. E esta última é do que mais humano há. Aí o silêncio é natural. Como a respiração. Aliás, sem isso não há "família" que resista.

Sou nudista não praticante

 Henri Cartier Bresson / imagem tirada da net

 

Já viu um nudista não praticante? Eu não. Até agora só vi nudistas. E não sou praticante. Não sou nudista, quero eu dizer. Até posso vir a ser. Se tiver razões para isso. Vem isto a propósito da expressão "católico não praticante", que muitos utilizam ao posicionaram-se no quadro das religiões. Dizem-me isto quando eu digo que sou católica, que vou à missa e o resto. Podem dizer. Como eu também o posso. Cada um é o que escolhe. Mas não faz pleno sentido dizer "católico não praticante". Usa-se o adjetivo para dar mais força a essa auto-declaração? Porque sempre são 3.000 anos "às costas"! E com cremação ou sem ela, quando um dos nossos morre, lá se chama o padre, não é?

Eu percebo o sentido que se quer dar: alguém, batizado ou não, quer dizer com essa expressão que tem determinado apreço por certos valores "católicos", mas que não aceita tudo o que o Vaticano diz. Mas para apreciar e seguir esses valores não é preciso ser católico. Qualquer moral os apregoa: amor, justiça, paz, e os outros todos.

O que oiço mais de quem assim se designa é: a Igreja está cheia de contradições; o fausto, pompa e circunstância; as riquezas em geral; a pedofilia; os padres que têm amantes; a inquisição; e mais, muito mais. Mesmo assim não tem sentido. É como se alguém dissesse: eu sou nudista, mas não sou praticante. Mas não é bom. É bom ser-se plenamente uma coisa. Ser benfiquista assim-assim, por exemplo, não tem graça nenhuma. Quando ele perde, na minha casa cai o Carmo e a Trindade. Mas ninguém é obrigado a ser isto ou aquilo. E como pessoas valemos todos o mesmo. Qual o mal em ser católico, ou não o ser? Onde está a liberdade religiosa? E não me venham com os fantasmas do passado. Neste ponto todos temos culpas no cartório.

É costume dizer-se que para uma boa diplomacia há dois assuntos que devem ser evitados: religião e política. Vou a muito sítio e confirma. Fala-se de tudo, menos disso. Há que ser politicamente correto. Como se fosse possível viver tirando a pele: a da política e a da religião. Eu percebo que se possa viver sem querer tomar posição; o que redunda numa posição também. Mas como optei por refletir estas coisas, sou  politicamente incorreta. Se vem a propósito, abordo tudo. Às vezes também o faço quando parece não vir a propósito, como hoje, se calhar, agora aqui.. Ou seja, não faço questão de começar a atirar para matar, mas considero mais humano não fazer tabu de certos temas. Uso a "razão". Nasci com ela. E aplico-me à argumentação. Na praia onde descansamos, ainda sabe melhor. E vai mais um mergulho.

É bom ser-se plenamente de uma coisa, dizia eu. Pois é, a minha família (a começar por mim) está cheia de contradições. Mas eu não a trocava por nada. Tenho orgulho nela. Por ser a minha. E não me calo. O segredo e a intimidade é outra coisa. E esta última é do que mais humano há. Aí o silêncio é natural. Como a respiração. Aliás, sem isso não há "família" que resista.

Erotismo e pornografia

 

 imagem tirada da net

 

Ontem à noite, alta discussão sobre o tema, porque pus um nu no meu fb. O verão proporciona este género de conversa. Eu sei que as palavras, em geral, estão gastas. Mas tenho sempre o dicionário à mão, neste caso, o TM.  Erotismo:  conjunto de expressões culturais e artísticas humanas referentes ao sexo. A palavra provém do latim ‘eroticus’ e este do grego ‘erotikós’, que se referia ao amor sensual e à poesia de amor.  Pornografia :   representação, por quaisquer meios, de cenas ou objetos obscenos destinados a serem apresentados a um público e também expor práticas sexuais diversas, com o intuito de despertar desejo sexual no observador. O termo deriva do grego πόρνη (pórne), "prostituta", γραφή (grafé), representação. Quase sempre a pornografia assume um caráter de atividade comercial, seja para os próprios modelos, seja para os empresários do setor. Está no hora de ir para a praia, mas queria deixar umas fotografias. Tal como para definições que acima refiro, recorri a um colega de Blog, Blog da Circuito Fashion e da fotógrafa Giovanna Batista. Está tudo AQUI. Claro como água. Boas Férias. Eu? Preto no branco, e às cores.

António Lobo Antunes:Olé!

 imagem tirada da net

 

Do Bau. Porquê este texto? Porque ele faz hoje anos e eu gosto muito dele. Na altura em que o conheci pessoalmente fiz-lhe um rasante, mas não tinha nem gravador, nem papel. Escrevi assim, e relembro. Não que recordar seja viver. A minha vida, é que tem muito que se diga.

 

«A Feira do Livro, ontem. No rescaldo, hoje ponho António Lobo Antunes. Conheci-o numa conferência. Até então sabia: de dois livros; passagens de outros; muitas crónicas; de familiares; de prémios (mas nisto estou, em parte, com ele, o mais importante no prémio é o dinheiro); que se acha que devia ser Nobel. Convidaram-me para ir ouvi-lo. Uma surpresa e um desafio, uma lide e um milagre. Entre os dois, e não foi de cernelha.

A curiosidade era grande e, se posso e vejo razões, tiro chinelos e corro: muitas vezes descalça. Tinha dele uma escrita "grande", ciclónica, novelo que não se desenrola nunca, repetitiva, embriagante, fatigante.  E uma atração por "uma coisa" maior que o livro, que nas entrelinhas está lá. Contudo, um escrever muito a empatar ou a adiar qualquer coisa.  É escritor? Não é escritor? Não se pode desligar a obra do seu autor, da carne e do osso. Ver os olhos, o olhar. Tocar se puder. Para mim é natural. Conclusão: conheci um escritor e desde esse dia "deu-me a mão". Porquê? Respondo com as minhas palavras, repetindo as dele, grande entertainer e de humor inconfundível - às vezes cru, mas certeiro, a desmontar as máscaras, todas mesmo; não há cinismo que lhe escape; o dele, se é que o tem, é-lhe íntimo, não o conheço assim tão bem...

Disse que escrever é dar um passo mais longe, e a certeza de que se é escritor é experimentar que não se pode viver sem escrever. Que a escrita são as perguntas milenares e a "última" pergunta tem diante de si um abismo. Bem lhe perguntamos, no final, se continuar a escrever é pressupor que há resposta, ao que ele deixou um composto e desenvolvido "não sei porque escrevo", "não lhe sei responder"... Determinante para ele, reconheceu, foi a mão que segurou a sua mão, antes da operação que fez quando lhe diagnosticaram um cancro. A mão que agarrou a sua, até à anestesia. Nunca mais se vai esquecer, repetiu. E que continua a escrever para viver e a viver para escrever. "O segredo para ser escritor?", perguntaram-lhe. Embora tenha citado muitos autores e contado histórias hilariantes sobre o tema, a prova está em que vida e escrita se confundem e que não há fórmulas: o eu diante do touro está sozinho, frisou, silenciando os risos que nunca faltaram, ritmados, a quem o ouviu naquela sala. E que ninguém desce de uma cruz vivo. E que o escritor sofre mais que os outros homens, e que sofrer é horrível.

Chegou a altura dos olhos, do olhar e do tocar. Foi no jardim. Tive então a  certeza de estar diante de um homem que sabe até onde quer ir. Sabe pôr e tirar a "máscara" muito bem, quando lhe apetece e quando quer. Dotado de uma inteligência fabulosa sabe mais do que diz, e sabe que sabe que não diz tudo o que sabe. E isto, diante da angustiante e famosa folha branca, às vezes não tão branca como a pintam.

O abismo de que falou na conferência: "é preciso saltar?", pergunto e respondo. Ele responde em silêncio com os olhos fixos em mim, e em quem me acompanhava, "mas quem são vocês?!" É que nós não lhe pedimos o autógrafo, ficamos para o fim, tão só para estar com ele. Só se pode saltar, disse eu, na certeza de que  uma mão  que nos vai agarrar. Tal como no Hospital. O eu e o touro não estão totalmente sozinhos...

A vida, volto às suas palavras,  não tem sentido sem escrever, e apesar de já estar tudo escrito, o homem tem tendência para se esquecer. Por isso, António continua a escrever"A melhor maneira de dizer as coisas é a única boa." Os grandes livros são um milagre, acrescentou. A certa altura, dos lindos olhos que tem, saiu um olhar sem qualquer máscara e eu tive o privilégio de ver um homem (acho que ele se "descaiu"...). Um "eu" como o meu, que anda neste lide, às vezes distraído, mas que vê a vida consolada quando alguém lhe pega a mão, ou se "pegam" as mãos. Não precisamos de estar (quem sabe quando?) à beira da faca ou da morte. E do que sei do meu toureio a pé ou das "pegas" de todos os dias, experimento - e nisso a natureza não falha- que o material tem sempre razão: se há razões para investir (o mesm

o é: saltar o abismo), é avançar. Só assim o  sofrimento se torna humano e a escrita uma beleza. 

Não é preciso enrolar tanto. Como ele disse a certa altura, precisamos de ser "mais" crianças. Da sua simplicidade. Rápida. Inteligente. De olhos impressionados - uma expressão da qual ele fez, aliás, um pequeno e certeiro exercício fenomenológico. O que mostra que o tempo pode ser um instante. Como cada cigarro que fumava enquanto falava, enquanto mostrava e escondia o olhar. É um touro de raça. Como um bom livro. A literatura é afinal uma bela tourada.

 

(Expresso online http://expresso.sapo.pt/blogues/Blogue:Luzelata/-lobo-antunes-um-touro-cheio-de-raca=f802410)