Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

De tudo um pouco. Cada manhã. Ao sair da pena, bem cedinho. Tudo me interessa.


08
Jul17

495555-77189-650-030eb06d1c-1484645599.jpg

 

O meu post de hoje era para se chamar "Primeiro é ser mãe, depois é que é ser mulher", mas não faz mal, fica a ser o próximo. Hoje escrevo a uma menina que se "passou". A gente na vida às vezes precipita-se. E também às vezes damos um passo maior que as pernas. Eu já aqui neste blog, sem te fazer favor absolutamente nenhum, afirmei várias que te apreciava. Talvez por ser também como tu, com bravura e orgulho, uma saloia. Feliz e alegre, portanto. Mas como a coerência não é para mim um valor absoluto, se vejo razões para mudar mudo. Para melhor, claro. Na tua balança isto não pesa, eu sei. Mas na minha pesa. Então foste por na Capa da tua Revista uma coisa daquelas? Queres vender mais, é?

Comprei várias vezes a tua Revista e, disse-o neste blog, gostei. Sabes entrevistar. Os assuntos tabú são para ser falados. Melhor, não há assuntos tabú. Estamos cá para falar de tudo. Tudo me interessa.  As Capas eram às vezes ousadas, eu sei, como as tuas gargalhadas estridentes, mas sempre disse que eram genuínas e sem maldade. E eu não ponho rótulos nas pessoas. Se gosto, gosto. Ponto. Mas tenho que ter razões, mesmo aquelas que a razão diz que desconhece. E até sei que o dinheiro da Gala de solidariedade para Pedrógrão sem ti não teria atingido o milhão. Por isso te puseram na linha da frente, no teu Canal, ao lado de um José Alberto Carvalho meio atordoado e a faltarem-lhe palavras, e por vezes presença. Um embaraço. Mas também já aqui disse o que penso dessa Gala. Hoje é só sobre ti que falo. Sabes muito bem o que vales. Mas com esta Revista descambaste.

Já a última Capa   - como vês não escrevo de cor  - tinha plástica a mais para o meu gosto. Foi até pela televisão que fiquei a saber onde se fazem as melhores mamas do país. Da boca de uma pessoa que as foi retocar no mesmo sitio da tua colega de capa. A tal ponto que ficam todas iguais e boazonas. Mas dessa vez passou. Agora esta Capa é um nojo. Choca-me, perguntas-me? Não, não me choca. O que me choca és tu.

Faz capas que o teu filho possa ver! E o que são capas que o teu filho possa ver? São capas em que se aprenda, mesmo que a rir, ou a sério, se aprenda alguma coisa. Alguma coisa pode ser "apenas"  a ver coisas bonitas. Eu também não acho piada a coisas muito light, muito zénicas. Mas confusões não! Talvez a mediocridade seja o limite. Como dizia uma mulher muito cool,  uma educadora de mão cheia, Maria Urich, que não foi mãe, a mediocridade é pior que o piolho. E também dizia que as crianças percebem tudo e detestam conversa mole, daquela em que se baixa a fasquia e pomos aquela vozinha diferente, aquela vozinha miudinha de quem está a falar para crianças.

Glamour não é para todos. Pode descambar numa selva, mas a ser como deve ser, o glamour não é nada disto, o glamour é muito bom. Até porque a vida é curta e vale melhor e mais que esta coisa que acabas de produzir. Tabus não. Mas lixo também não. Não, não estou a dizer que faças uma revista para crianças...

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D


Links

imagens rasantes