Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Rasante

Rasante

Nus meus poemas

 

 imagem da net

 

Não bastava o meu próximo livro sobre Eduardo Lourenço, previsto para sair em Dezembro  Acabo de descobrir o baú dos meus poemas. Escrevo há anos e guardei-os. E se não são poemas? Perdi a vergonha. "Podias juntá-los e publicar..." Pois assim será, se Deus quiser. Eles são o que são. Não será poesia. Não importa. São o que sinto. Um Rasante poético. Poética?

 

Nesta semana que passou assisti a uma conferência sobre a obra "Os Noivos", de autor italianio Manzoni, numa coleção dirigida pelo Pe José Tolentino Mendonça.  A certa altura ele explicou o que era a poética de uma forma que não conhecia, ao apontar para o seu motor: a diferença entre aquilo que as coisas são, e aquilo que elas deveriam ser.

 

Aqui no blog vou postando aguns. Hoje deixo este:

 

O que gostaria

 

um dia

no apelo que o faria

contigo nus

tropeçássemos

embatidos

no trilho anunciado

preparado

na boca do oceano

 

"Quilha", diz o poeta, o mourão

"madeira esculpida"

dois pedaços

simétricos

casados

no colar

pedras iguais

e diferentes

a sulcarem-se

pelo salgado

 

um caminho recortado

apertado

lado a lado.

 

2 comentários

Comentar post