Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

De tudo um pouco. Cada manhã. Ao sair da pena, bem cedinho. Tudo me interessa.


31
Ago17

tempo 2.jpg

fotografia Rasante 

 

"Eu agora vivo um dia de cada vez", dizem-me como se me estivessem a dar a notícia de última hora. E tenho ouvido esta frase vezes sem conta. E os títulos de muitos livros que têm vendido que nem pão quente vão nesse sentido, género "O poder do agora".  Eu também já a disse e digo, porque eu, há uns meses, também decidi viver um dia de cada vez.

Há sempre uma razão para essa decisão.  Mas não é só uma decisão. Como se poderia viver se não fosse um dia de cada vez? A verdade é que, por um lado, ninguém pode garantir que chega hoje ao final do dia. Não sabemos nem o dia, nem a hora. Por outro lado não é mentira eu dizer que hoje vivi muitos dias, ou seja, ontem, ao olhar para o dia que tinha passado, entrei no "palácio da memória" e vivi muitos, muitos dias. 

Viver um dia de cada vez  - falo do que oiço e vejo  - pode querer dizer, vou mas é gozar e o resto, o que vem, logo se vê. Há mesmo quem pise, ou se aproveite dos outros, para ser mais, no dia de hoje. Menos paleio, mais ação. E nesta forma de viver há mil nuances.

A ansiedade vem, e é verdade, de a pessoa se fixar no futuro, no que serei, ou no passado, o que fui.  Há casos doentios. Mas a verdade é que o passado e o futuro têm que estar. Se não estivessem não viveriamos de forma humana. Mas isto é como uma receita de um bolo, o bolo do tempo. O tempo  presente precisa dos ingredientes todos, nas quantidades certas. O poder do agora, o seize the day,  não se capta numa decisão voluntarista de tipo esperto,  ideológico e estratégico, mas num entender que nada me falta decidir a não ser o alimentar de uma terna, dedicada, integral e arrasadora paixão por mim mesmo, hoje. Sem calculismos, aberta à surpresa e corajosa para inverter o caminho, parar, ou aceitar mesmo as mãos atadas. Como um dia alguém me disse "que o quotidiano se torne heróico e o heróico se torne quotidiano". Como se as minhas mãos não fossem minhas. E realmente, em certo sentido, não são.

Numa  palavra, viver um dia de cada vez não é a decisão agridoce de não ter outro remédio, mas a alegria que vem do abraçar tudo o que me está a acontecer.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D


Links

imagens rasantes