Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Rasante

De tudo um pouco. Cada manhã. Ao sair da pena, bem cedinho. Tudo me interessa.

Rasante

De tudo um pouco. Cada manhã. Ao sair da pena, bem cedinho. Tudo me interessa.

28.06.18

Obrigada D.Dolores!


Fátima Pinheiro

 

dolores.jpeg

 

Faz hoje 20 anos que a Vida venceu em Portugal. A 28 de Junho de 1998 os portugueses disseram "não" à liberalização do aborto.

Nestes 20 anos o trabalho daqueles que continuamente lutaram e lutam pela defesa da Vida desde a concepção até à morte natural foi incansável.

E continuaremos a lutar enquanto houver uma mulher que aborte porque ninguém a ajudou!



 

Exortai-vos cada dia uns aos outros, até ao dia que se chama «Hoje» (Hebr 3, 13). Exortai-vos cada dia uns aos outros, até ao dia que se chama «Hoje» (Hebr 3, 13).

22.06.18

Portugal - Argentina


Fátima Pinheiro

 

mw-1360.jpg

 

O mundial impõe-se. Tudo é possível. E hoje a Argentina ganhou fôlego. Só faltava uma final que pusesse frente a frente Ronaldo e Messi. Eu prefiro falar de equipas mas quem viu os ultimos jogos de Portugal sabe o que digo. O que seria sem Ronaldo? Pois...

De Messi temos visto pouco. Mas falhar um penalti não é trágico. Eu cá penso que ainda vamos ter a Argentina na final com Portugal.  Mais valia estar calada? Não. Este Blog anda desanimado, os temas nacionais e internacioais são desencorajadores e o mundial é o que está a dar. Eu que não percebo de futebol deu-me para isto.

Exortai-vos cada dia uns aos outros, até ao dia que se chama «Hoje» (Hebr 3, 13). Exortai-vos cada dia uns aos outros, até ao dia que se chama «Hoje» (Hebr 3, 13).

21.06.18

Já não sei o que diga: o mundo está mesmo mau!


Fátima Pinheiro

495605-89695-650-88f90c7d11-1484645599.jpg

 

Agora é que 'Crianças do Bangladesh trabalham 64 h/semana para fazer a nossa roupa barata'. Nos últimos dias ouvimos gritos de crinças enjauladas,  com Trump a mandar.

Um relatório do OverSeas Development Institute (ODI) revelou que existe um número preocupante de crianças com idades inferiores a 14 anos, no Bangladesh, que abandonaram a escola e têm empregos a tempo inteiro. Em média, estas crianças trabalham 64 horas por semana.

E o rei vai nu.

E nada?

 


 
Exortai-vos cada dia uns aos outros, até ao dia que se chama «Hoje» (Hebr 3, 13). Exortai-vos cada dia uns aos outros, até ao dia que se chama «Hoje» (Hebr 3, 13).

17.06.18

O Brunito comanda a vida!


Fátima Pinheiro

bc.jpg

Bruno de Carvalho domina os media. Com tanto assunto, por que magia eu abro a televisão e só me sai aquele? E porque não escrevo eu sobre outro assunto? É por indignação. Por estar farta de tanta mediocridade, tanta corrupção, tanta ilegalidade, tanta impunidade. Como chegamos a isto? Chegamos a isto porque não nos interessam outras coisas? Não é verdade.

O que move a nossa sociedade são as audiências. Mas quem manda nas audiências ? E as perguntas vêm umas atrás das outras. Onde se pára? Vamos vivendo cada dia, a aturar isto  a que preço? Tontos com este espetáculo, entretidos com os bons momentos do Mundial, ou com os lutos sentidos dos Pedrógãos, que fazem hoje um ano. 

Resta-nos sonhar com  a Taça, parece. O sonho comanda a vida. Afinal que vida é esta? É a pergunta que se impõe. Senão o que somos? Uns grandes palhaços. Quem manda nos meus sonhos? Quem me diz o que existe?

Exortai-vos cada dia uns aos outros, até ao dia que se chama «Hoje» (Hebr 3, 13). Exortai-vos cada dia uns aos outros, até ao dia que se chama «Hoje» (Hebr 3, 13).

13.06.18

O selecionador revela o segredo


Fátima Pinheiro

 

 

fs.jpeg

 

Fernando Santos esteve no Conhaque - Philo em 2014.  No dia em que foi considerado o melhor selecionador do mundo, passei aqui aqui um excerto da sessão na qual esteve acompanhado por outro "selecionador", o Cardeal Patriarca de Lisboa D. Manuel Clemente. O video da Sic Notícias pode vê-lo aqui, e a transcrição abaixo. As palavras continuam actuais.

D. Manuel Clemente e Fernando Santos trocam ideias sobre “o que é seleccionar”. Uma tertúlia animada e realista na Casa-Museu Medeiros e Almeida, com Santo António e Paulo Bento à mistura. A Rádio Renascença também registou a sessão aqui: o que têm em comum um patriarca e um treinador de futebol? (Aura Miguel e Ricardo Fortunato) Repórter da Sic Notícias: Selecionar, ser selecionado, escolher, deixar que os outros escolham por nós... O dilema cruza a vida dos homens, sejam eles selecionados, pela palavra de deus, ou selecionadores de futebol, de um país. Fátima Pinheiro (Rasante): Porque é que não põe o Quaresma a jogar desde o início? Risos Fernando Santos: É prima, é prima... Interveniente: Há aqui uma coisa que tem sido permanente, ele tem resolvido os jogos, nos seus últimos jogos como selecionador. E eu pergunto é: quando é que o vai deixar jogar desde o início? Fernando Santos: Eu acho que a resposta foi dita... Quando é que o vou selecionar? Ele tem sido sempre selecionado, não sei a razão, não percebi a pergunta... Eu percebi, mas não quero responder! Risos Se eu respondesse à sua pergunta agora pela negativa ou pela positiva estaria sempre de alguma forma a pôr em causa um grupo de trabalho que é para mim muito mais importante do que o individuo por si só. Repórter da Sic Notícias: O encontro entre Fernando Santos e D. Manuel Clemente fluiu com outras perguntas do público. Quem foi à Casa Museu Medeiros E Almeida em Lisboa ouviu selecionador e patriarca de Lisboa a concordarem num ponto.Dom Manuel Clemente: É exatamente na medida em que nós nos treinamos a selecionar, é que nos tornamos selecionadores. Fernando Santos: Sim, claro. Dom Manuel Clemente: Isto é, se nós tivéssemos assim uma conceção parada da vida e tínhamos de repente um conjunto de possibilidades à nossa frente, assim como quem vê o/um festival de filmes ou coisa do género, e então depois fossemos escolher, nós nunca escolheríamos nada. Repórter da Sic Notícias: No futebol e na religião as escolhas são muitas vezes condicionadas pelo que está à volta. Fernando Santos: As campainhas tocam, não é? E quando tocam, levam-te a pensar. E levando-te a pensar, aqui não há uma questão de condicionar... Mas levam-te a pensar e levam-te eventualmente até à conclusão de que na realidade quem estavam certos eram eles e não eramos nós, e isso mudar, fazer-nos mudar um pouco. Mas isso só os burros é que não aprendem, acho eu. Eu de burro acho que não tenho nada, felizmente. Risos Dom Manuel Clemente: É um processo educativo, é um processo que tem de ser necessariamente demorado porque nem a pessoa, nem o sujeito, tem consciência daquilo que é capaz. Temos que lhe dar tempo e às vezes é errando uma e outra e outra vez que depois acerta. Repórter da Sic Notícias: As reflexões da iniciativa “Falemos dos Outros” da bloguista e filósofa, Fátima Pinheiro, regressam em 2015 com outros protagonistas da vida pública nacional. Exortai-vos cada dia uns aos outros, até ao dia que se chama «Hoje» (Hebr 3, 13). Exortai-vos cada dia uns aos outros, até ao dia que se chama «Hoje» (Hebr 3, 13). 

Exortai-vos cada dia uns aos outros, até ao dia que se chama «Hoje» (Hebr 3, 13). Exortai-vos cada dia uns aos outros, até ao dia que se chama «Hoje» (Hebr 3, 13).

07.06.18

O mundial segundo Dostoiévski


Fátima Pinheiro

seleção em belem.jpg

 

 

O mundial da Rússia está à porta. A Rússia promete. Aliás sempre prometeu. É de Dostoiévski a célebre sentença: "a beleza salvará o mundo". Não estou a dizer que é este ano que acabam os males, mas, digo sim, que melhor é possível. Há condições. Falta apenas uma coisa.

O futebol só faz bem, tirando, clario, as partes podres, que as há em tudo o que é humano. Mas são tantas as coisas boas, também como em tudo o que é humano. Todos nós percebemos o que se passa num jogo. Até uma criança. O bom é: cada um dar o melhor, o espírito de equipa, a estratégia, e certeza de que não há impossíveis. Ronaldo lembrou-o ontem. E frisou que a cada jogo se vai vendo onde páram as modas, por assim dizer. O que acabo de dizer é uma bela metáfora da vida. Bela, porque verdadeira. Aliás, já que estamos na Rússia, a praça "vermelha" quer dizer praça "bela" (vermelho e belo têm a mesma raíz etimológica).

Espero então que este mundial nos traga um retângulo "belo". Não um campo para esquecer a vida, mas para a celebrar. O futebol é também para as nossas vidas serem melhores. Em cada jogo se vai vendo onde páram as modas, cada um  pode dar o melhor, o espírito de equipa, a estratégia, e certeza de que não há impossíveis. 

Marcelo, ontem antes do jantar em Belém,  não pediu a taça, mas algo "mais difícil". É a coisa que falta: que cada um seja o que é. Isto ninguém pode fazer por nós. E não está longe, está nas nossas mãos. E agora também nos nossos pés. Nos 46 pés de 23 belos fidalgos desta Casa Mourisca. Seguramente "factor de unidade".

Exortai-vos cada dia uns aos outros, até ao dia que se chama «Hoje» (Hebr 3, 13). Exortai-vos cada dia uns aos outros, até ao dia que se chama «Hoje» (Hebr 3, 13).

04.06.18

Marcelo é genuíno


Fátima Pinheiro

marcelo.jpg

 

A televisão deu-nos ontem Marcelo a mergulhar, na baía de Cascais. Com os jovens. A pedido. O Presidente fez o que costuma fazer, só que desta vez em companhia. Costuma mergulhar em ambiente diferente. Sem multidão. Sem selfies. Estava eu a olhar as imagens e dei por mim a pensar: um homem "normal", o Presidente do meu país. Em tronco nu. A abraçar e a ser abraçado, de sorriso nos lábios. Sem vergonha, sem vaidade. A dar o corpo ao manifesto. Comovi-me e  não foi pouco.

Quis ser assim. Genuína. Fazer o que costumo fazer. Sem dualismos. Sem peneiras. Fazer e partilhar o que gosto de fazer. Aceitar desafios. Não fugir do frio do mar. Sem me importar.

Exortai-vos cada dia uns aos outros, até ao dia que se chama «Hoje» (Hebr 3, 13). Exortai-vos cada dia uns aos outros, até ao dia que se chama «Hoje» (Hebr 3, 13).

02.06.18

Eduardo Lourenço estreia-se no cinema


Fátima Pinheiro

paineis.jpg

 Painéis de S. Vicente

O filme "Labirinto da Saudade", estreou  no dia de anos de Eduardo Lourenço, dia 23 de Maio. O ensaio homónimo da autoria do homem que fez agora 95 anos, viu a  luz em 1978. Miguel Gonçalves Mendes foi o realizador que concretizou a narrativa filmíca do texto que tem sido referência para o pensar Portugal. Fui e gostei. É bom. Por muitas razões, que não enumero por ordem hierárquica

Eduardo faz de Eduardo

Dou os parabéns a Eduardo que se prestou  a ser actor. E tão bem. Como sempre está presente sem rede, sem filtros. É uma criança. Ele próprio confessa: sei tanto hoje, com quase 100 anos, quanto sabia aos 2 anos. A cena final golpeia o coração, porque nela "embarca" o homem que somos todos nós. Andamos a tudo fazer para esquecermos que somos mortais. A ilusão da morte que é só para os outros até ao dia em que acontece a ausência incurável. Ninguém pode fugir. Eduardo é o salteador da Arca Perdida.  Contudo não se confessa todo. Mas eu sei...

Rodeado de amigos

O filme foi a pedido de alguns amigos, que entram também no filme. Anabela Mota Ribeiro, Siza Vieira,  Pilar del Rio, Lídia Jorge, Ramalho Eanes, Jorge Sampaio, entre outros. Dão-se à câmara de forma generosa. Nas suas cumplicidades com o protagonista.

Os seis traumas

Aqui registo a  fidelidade ao texto base e a posição em relação ao Brasil, cuja perda não é um trauma. Bons diálogos com brasileiros. Tudo muito bem documentado. E Ricardo Araújo Pereira é um Salazar irrepreensível. Gostei da ideia de fascismo santacombadense.

Não é Chato  

Tem um bom ritmo. Pluralidade de linguagens fílmicas. A animação vem a calhar. Não faltam evocações significativas plenas de história.

 

Exortai-vos cada dia uns aos outros, até ao dia que se chama «Hoje» (Hebr 3, 13). Exortai-vos cada dia uns aos outros, até ao dia que se chama «Hoje» (Hebr 3, 13).