Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Exortai-vos cada dia uns aos outros, até ao dia que se chama «Hoje» (Hebr 3, 13). Renovai-vos pela transformação espiritual da vossa inteligência e revesti-vos do homem novo (Ef 4, 23-24).

Rasante

De tudo um pouco. Cada manhã. Ao sair da pena, bem cedinho. Tudo me interessa.

Rasante

De tudo um pouco. Cada manhã. Ao sair da pena, bem cedinho. Tudo me interessa.

19
Ago17

A beleza desarmante de Nolan


Fátima Pinheiro

nolan i.jpg

 

O fedor em que vivemos não deixa lugar a dúvidas: isto não vai lá com paleios, mensagens ou declarações. É o recente filme de Christopher Nolan que me faz hoje falar assim. É tão bom que eu, uma incondicional de Manoel de Oliveira, vejo nele traços da Caça, do Non ou Vã Glória de Mandar e O meu caso. Vi todos estes filmes com dificuldade em puxar o queixo para cima. Com o de Nolan, ainda estou na ressaca. Acho mesmo que Oliveira teria gostado da obra deste realizador que sabe mais do que fazer Batman. O dinheiro é pouco se com ele se pode fazer muito. A ausência dele, de dinheiro, também não impede que se realizem filmes geniais, como é o caso de Oliveira. O que há assim de tão especial em Dunkirk (2017)?

Filmes com temas da Segunda guerra mundial, Auchswitz e outros, há que chegue. Parece gasto. Mas a força que vem da câmara de Nolan tem a imponência de me mostrar hoje o que sou eu e a minha circunstância. Sem filtros ou mensagens dá-me diante dos olhos a monstruosidade do mal, na doçura de quem não desiste de esperar. Tira-me de paneleirices, boas intenções, escritas ou consuetudinárias, Onus ou vestidas de quem tem apenas uma ideia na cabeça: a vã glória de mandar. Põe-me na bandeja da manhã a indústria da celulose, o teatro dos Pedrógãos de sessões contínuas há dois meses, a orfandade de não ter governo nem quem mande mesmo nas forças armadas. Páro aqui porque um post tem que ser pequenino. Numa palavra: nada encontro na bandeja mediática. But we shall never surrender.

Há tempo para tudo: uma bacalhauzada a Macron, o consolo ao Rei de Espanha. Mas poupem-me a um MNE que disse (quando Costa estava a banhos....foi a banhos foi!!!! Devia ter ido sim, um banhozinho a sério só faz bem, mas tem que ser um banho em águas limpas) que está tudo bem, a um MD e um CEMGFA que também que sim, a um MF que é uma luz bruxuleante precisamente em Bruxelas, a um MC que é pura poesia, poupem-se e poupem-nos. Eu ofereço o espelho, pode ser?

Uns meses antes de começar as filmagens de O Velho do Restelo, Oliveira disse-me nos olhos: é preciso acreditar. Acredito sim. Mas com razões. Em obra feita. Acredito em quem me clarifica e até pinta os narizes dos aviões alemães de amarelo para me facilitar a vida. Obrigada Nolan porque fizeste um filme que é já para mim um clássico. Desarmante. Não provoca a lágrima que distrai, não chora sobre leite derramado, mas faz-me fazer, plena de uma arquitetura de imagens e planos de uma beleza que parece Impossível.

Exortai-vos cada dia uns aos outros, até ao dia que se chama «Hoje» (Hebr 3, 13). Exortai-vos cada dia uns aos outros, até ao dia que se chama «Hoje» (Hebr 3, 13).

Pesquisar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Exortai-vos cada dia uns aos outros, até ao dia que se chama «Hoje» (Hebr 3, 13).

Comentários recentes

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D