Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Rasante

De tudo um pouco. Cada manhã. Ao sair da pena, bem cedinho. Tudo me interessa.

Rasante

De tudo um pouco. Cada manhã. Ao sair da pena, bem cedinho. Tudo me interessa.

08
Mar18

Hollywood: pela cruz é que vamos!


Fátima Pinheiro

 

22042272_1606281106089977_7089223040466906258_o.jp

 

 
A recente edição dos óscares levou-nos de novo ao espírito que há 90 anos move Hollywood. Para quem estima a 7ªarte é muito bom. Também pode ser apenas para alguns entretenimento, glamour. Quero notar hoje que há dois anos o sonho tem sido um dos temas mais focados, com La la land e este ano com o que Guillerme del Toro afirmou ao receber o óscar para o melhor realizador e melhor filme, dedicando-o em parte para ser estímulo ao sonho dos jovens. Os seus filmes são encarnações de "sonhos", de facto. Mas o deste ano vai mais longe.
Sonhar, os sonhos, sempre estiveram presentes em grandes filmes. O nosso Manoel de Oliveira dá-nos uma bela amostra em “ O Estranho caso de Angélica”. E sonhar é até fácil. O filme deste ano, “A forma da água”, quer mostrar que se pode romper a rotina. A protagonista é-nos apresentada na sua rotina. Do trabalho para casa e de casa para o trabalho, com todos os pormenores. E del Toro faz muito bem em mostrar o que a rotina tem de desumano – sim, porque há um lado bom da rotina-, em mostrar que o “menos” não nos corresponde, não nos satisfaz. Tanto assim é que ela, porque atenta, abre-se ao diferente, neste caso a um humanóide. Apaixonam-se e ficarão juntos para sempre. O sonho realizou-se. Mas Hollywood sonha poucachinho A minha vida sonha mas eu não vou ao engano porque sei que não é assim. Hollywood deixa-me pendurada. Eu vou pela realidade, não pelo sonho. Eu vou na forma da Cruz. Eu não sou artífice da História da Salvação.
Neste ponto importa realçar que na sua inocência a água de Del Toro foi escolhida a dedo. A sua costela sul americana está bem presente, e sabemos o que a água significa. Símbolo de vida, de renovação, de novas formas. Mircea Eliade puro e duro. O sonho de Platão vai contudo ao cerne, mais longe. Põe a hipótese de uma Revelação do absolutamente outro: Deus, o mais transcendente dos transcendentes poder encarnar e contar-nos tudo. Aconteceu? Há 2000 anos sim e permanece. De forma inimaginável. Na barriginha de uma mulher de 15 anos (aqui é que está o dia da mulher). A água passa a ter outra forma, no Baptismo do Jordão e no de cada um. Não é sonho, é realidade. Quem não experimenta o que é ser uma nova criatura não sabe o que perde. Quem tem interesse dá o Primeiro passo de ir saber se aconteceu ou não. A resposta é dada a cada um. Não há aqui respostas colectivas. Como no filme que tenho no horizonte. Bom esforço, grande talento, Guillerme. Mas espero ainda por outro filme teu. Aquele em que a realidade do sonho dos sonhos rasgue as fronteiras do imaginável. E mostre não mostrando. O essencial é invisível, embora de carne.
 

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Welcome back home...

  • Anónimo

    O AVC fez-te escrever ainda melhor! Welcome back!!

  • Fátima Pinheiro

    É mesmo!

  • pita

    Creio que será claro que Fátima, pelo que escreve,...

  • pita

    Um excelente (grande) filme. Tão marcado fiquei q...

Links

imagens rasantes

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D