Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Rasante

De tudo um pouco. Cada manhã. Ao sair da pena, bem cedinho. Tudo me interessa.

Rasante

De tudo um pouco. Cada manhã. Ao sair da pena, bem cedinho. Tudo me interessa.

01
Ago14

Os meus posts e a minha «selfie» com o «Expresso»

Fátima Pinheiro


«Selfie» com o Professor Sobrinho Simões

Quem não me conhece diz: «fazes esses blogues para apareceres.» Então, a ser verdade, apareço muito mal. Porquê? Porque se aparecesse bem o Jornal «Expresso» - ainda um de referência - não teria prescindido do meu blogue “Luz e Lata”, que nesse Jornal tive diariamente «online» durante um ano. E prescindiu sem aviso. Isto não é uma “indirecta”, é mesmo “directa”. Também há a hipótese de se calhar o blogue aparecer bem, mas quem entrou de novo a mandar na linha editorial tenha vindo com as suas ideias. Eu poderia até ter feito o mesmo: limpeza, arrumação da casa, avançando com o meu plano. Não se passa assim em todo o lado? Os Ministros não levam os seus homens para os gabinetes? As suas secretárias? Os seus especialistas?

Mas quem me diz aquilo tem uma certa razão. Claro que se escrevo é para «aparecer». Só que não é para exibicionismos. Faço porque gosto. Com ou sem erros gramaticais – que tenho muitos – escrevo porque preciso. É como respirar. Ao ar. Ao público. E dou um exemplo de como faço um “post”.

Normalmente é na luz rasante da manhã, como ontem. Outras vezes estou no lugar certo porque sei que vai acontecer uma coisa que me interessa. No caso que a fotografia ilustra, eu sabia que o Professor Sobrinho Simões ia lançar um livro sobre o Cancro. Numa linguagem acessível. Fui. Quando ele chegou agarrei-o e perguntei. Ele disse-me: “tem uma caneta?”. E pronto, fez-me o boneco. A seguir fui ler o livro, mas em versão rápida; não fiquei para o ouvir porque tinha um compromisso, mas lá escrevi sobre isto quando cheguei a casa. Numa palavra: como na vida, "corro" para alcançar O que está a acontecer.

E ainda o «Expresso». Depois de eu telefonar a perguntar o que fazer (porque os posts que costumava fazer não saíam) pediram-me para parar e pediram desculpa de não me terem avisado antes; porque o arranque deste novo projecto os estava a absorver completamente. Mais tarde enviram uma carta a todos os bloguistas na minha situação. Formalmente não era preciso pedir desculpa; sempre lá estive por iniciativa própria sem promessas. Nada há a desculpar. Do ponto de vista moral, também não é preciso desculpas. Nunca assim foi, nem será. A verdade é que estamos assim muito melhor. A era do Digital Diário.

Se estou ressentida? Claro que sim, o que é normal. Mas como me dou muito bem comigo, dou-me muito bem com os outros. É muito saudável. A fotografia dá para ver. E já foi tirada depois da corrida do "Expresso".
Exortai-vos cada dia uns aos outros, até ao dia que se chama «Hoje» (Hebr 3, 13). Exortai-vos cada dia uns aos outros, até ao dia que se chama «Hoje» (Hebr 3, 13).

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Exortai-vos cada dia uns aos outros, até ao dia que se chama «Hoje» (Hebr 3, 13).

Links

imagens rasantes

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D