Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Rasante

De tudo um pouco. Cada manhã. Ao sair da pena, bem cedinho. Tudo me interessa.

Rasante

De tudo um pouco. Cada manhã. Ao sair da pena, bem cedinho. Tudo me interessa.

11.05.18

Quando se está a mais...


Fátima Pinheiro

mais.jpg

 Ninguém foge às relações sociais. O nosso dia -a -dia faz-se em conjunto. Seja em paz, seja em guerra. Mesmo quando, como dizia Sartre, "o inferno são os outros". E nesse tecer de vida, que é quotidiano, há o que muitas vezes notamos:" este está a mais". E dizemos isto como uma crítica. Não é bom  estar a mais. Como também não nos apraz o estar de menos.

 

Exemplo actual e brejeiro: o que faz em palco a autora da canção portuguesa da Eurovisão?  Já não basta a canção ser tão fraca. Salvador encheu-nos as medidas e agora estamos mais exigentes. Sai de cena quem não é de cena.

 

Sócrates, exemplo actual e muito sério, não só está, como esteve, sempre a mais. Tivesse ficado na Covilhã. Quem sabe  teria dado um bom professor de filosofia  na UBI, poupando o sofrimento de tantos portugueses. Também Pinho e o meu gato. Não posso, faz-me alergias.

 

O verbo encher clarifica isto tudo. Muitas vezes estamos só para encher e não para fazer. É o também conhecido "para inglês ver". Ou o encher chouriços. Ou impingir-se à força como fazem os implastros vaquinhas que aparecem atrás de figuras públicas quando estas falam para as câmaras. Quem vê os noticiários sabe o que é. Não haverá melhor vida do que isto?

Há.

 

Exortai-vos cada dia uns aos outros, até ao dia que se chama «Hoje» (Hebr 3, 13). Exortai-vos cada dia uns aos outros, até ao dia que se chama «Hoje» (Hebr 3, 13).

1 comentário

Comentar post