Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Rasante

De tudo um pouco. Cada manhã. Ao sair da pena, bem cedinho. Tudo me interessa.

Rasante

De tudo um pouco. Cada manhã. Ao sair da pena, bem cedinho. Tudo me interessa.

22.11.17

Ser Zen é bem!


Fátima Pinheiro

galopi.jpg

 

 

Conheço católicos, e outros crentes, que parecem baratas tontas. É o ativismo e às vezes moralismo. E há quem diga que é tolerante, embora  a palavra certa e mais científica seja indiferença. Quem o disse foi Oscar Wilde. Acontece que a indiferença é mentirosa. Ou seja, é mentira que temos que ver uns com os outros?

Sei que cada um vê de uma maneira. Mesmo dois budistas o fazem. Ou dois católicos. A subjetividade é incontornável, a ontologia é que manda. A Ontologia é a mãe. Subjetividade distingue-se de subjetivsmo. É como beber um copo de água: a água é a mesma, o que muda é a sede e quem bebe (subjetividade). Estar a beber um copo de água e dizer que é vinho, é poesia. E em termos de conhecimento é subjectivismo. É água mesmo!

Ser indiferente é como adormecer no filme. É não perceber que estamos todos no mesmo barco. É alhear-se do bom combate e vestir a camisola da tolerância (que quando bate forte se despe logo) e, assim, ser indiferente a quem não é igual a mim mas de mim não difere por ser uma pessoa; é ollhar para o lado e de certa forma ignorar o outro, uma pessoa. Ou não?

Ou então também se poderá defender que há pessoas que não são pessoas. Temos muitos casos na História em que o indefensável foi defensável. E agora mesmo. Há pessoas que estão a ser tratadas como pedras.

Mas já há muito se vem ganhando a postura de toca e foge, "não tenho nada a ver". "Ser feliz é passar ao lado da dor." Mas a dor e o sofrimento existem. A começar em nós. Não adianta ignorar. Adianta, sim, lutar por uma vida inteligente, realmente subjetiva. Uma luta que não é minha e  que levo como se fosse.  Por muito que seja bem ser "zen", por muito que me gritem que o spa é que é.  Ser civiizado o que é: é escapar ou amar?

 

Exortai-vos cada dia uns aos outros, até ao dia que se chama «Hoje» (Hebr 3, 13). Exortai-vos cada dia uns aos outros, até ao dia que se chama «Hoje» (Hebr 3, 13).