Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Rasante

De tudo um pouco. Cada manhã. Ao sair da pena, bem cedinho. Tudo me interessa.

Rasante

De tudo um pouco. Cada manhã. Ao sair da pena, bem cedinho. Tudo me interessa.

23.11.17

Ter um filho...


Fátima Pinheiro

542312_431998610184905_465153110_n.jpg

 TM Rasante

 

Não se pode dizer, em rigor, "tenho um filho", dois três, ou mais. Um filho não se tem. Porquê? Porque ninguém tem ou possui um mistério. E uso a palavra no sentido em que Jaspers e Marcel a divulgaram. Mistério é algo, um X, do qual eu não vejo todos os aspetos ou fatores.

Ao contrário da palavra "problema", que é algo que tenho diante de mim, a palavra "mistério" refere-se a algo que é uma espécie de moldura a envolver sujeito e objeto. Por outras palavras, o objeto das ciências são os objetos que um sujeito estuda. Já a filosofia não é ciência, porque é o único saber que tem como objeto o próprio sujeito. Não o dá como adquirido. As célebres perguntas: quem sou eu? Donde venho? Para onde vou? (Ai Dan Brown, estás na calha, para umas palavrinhas aqui no Rasante).

E esta coisa do ter direito a ter filhos? Custe o que custar!!!! E esta coisa do comprar filhos? Brincamos ou quê? E alguma vez passou pela cabeça de alguém comparar um filho a um livro e a uma árvore!

Os filhos não são o sentido da vida, eles dão sentido. Não porque tenham a chave do mistério, mas porque, carne de uma só carne, são na sua beleza, incomparavelmente cúmplices de amor, prazer, parecidos com o mistério que envolve os pais, os co-criadores, palavra que aprendi na Fé que procurei. Há quem não tenha filhos. Pois há.

Exortai-vos cada dia uns aos outros, até ao dia que se chama «Hoje» (Hebr 3, 13). Exortai-vos cada dia uns aos outros, até ao dia que se chama «Hoje» (Hebr 3, 13).

2 comentários

Comentar post