Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Rasante

De tudo um pouco. Cada manhã. Ao sair da pena, bem cedinho. Tudo me interessa.

Rasante

De tudo um pouco. Cada manhã. Ao sair da pena, bem cedinho. Tudo me interessa.

17
Dez17

Xavier Beauvois em Almada

Fátima Pinheiro

 

 

noite-de-natal.jpg

 noite de natal

 

O FILME “DOS HOMENS E DOS DEUSES” (de Xavier Beauvois, 2010) encerra o ciclo de Ciclo de Cinema Católico de Almada, hoje à noite

Trailer #1

Era uma vez sete monges católicos, trapistas, que viviam num Mosteiro fundado em 1938, em Thiberine, na Argélia. Foram assassinados a 23 de Maio de 1996 porque eram vistos como uma ameaça. Porquê? Porque viviam em boas relações com a comunidade local: participavam nas cerimónias religiosas muçulmanas, nas outras festas, vendiam os seus produtos, da mesma terra, nas mesmas feiras, conversavam estabelecendo relações de amizade, ajudavam a resolver burocracias (como preencher certos papéis, etc.) e tratavam, nalguns casos curavam mesmo, quem aparecia no convento e precisava. Incluindo terroristas, o que não era bem visto pelo exército local, que por várias vezes os intimidaram a sair do país. Um filme que podia ser uma arma de arremesso contra ideologias, ou ele mesmo um filme ideológico, ou um hino a uma pretensa atitude estóica de sete homens sem medo de nada nem de ninguém. Mas não. O filme é sim, antes de mais, sete histórias de sete conversões. Surpreende pela humanidade. Luc, o monge médico, está desde o início pronto para a “colheita”. No meio de um ataque de tosse, o seu “tudo bem” como resposta à pergunta de Christian, seu confrade e superior do mosteiro – “tudo bem?” -, quando em fila sobem o Atlas, escoltados para o matadouro, sob uma impiedosa neve que não lhe poupa a asma ( ele que curava mais de cem pessoas por dia …), é disso testemunha. Desde que o cerco começa a apertar, que todos pensam em partir dali para um lugar mais seguro. Chistian é o único que não o diz, parecendo ter ainda algumas dúvidas. Contudo, pela maneira como ele vai vivendo e conversando com todos, tudo indica que está também pronto, desde o início. Os lírios do campo estão no seu lugar e nada lhes falta. O fime cruza constantemente as “palavras” que cantam no convento – a liturgia – e as lutas intímas em que vivem o drama do dia-a-dia, no “tempo” das tarefas quotidianas e no “tempo” de oração contemplação. Percebe-se, num encadeamento de mestre, o que se une e o que está desunido entre palavra e acção. O realizador, sem ser crente, mostra a intimidade daqueles homens, que a oração não é “não acontecer nada”, mas “acontecer tudo” poque é no eterno diálogo com Deus, e entre si, que vivem a vida como dádiva e por isso, são fíes à sua vocação. É “rasgando”, ou abrindo, o seu “eu”, que aqueles homens abraçam, por se deixarem abraçar. Sem máscaras, sem cinismos. Vivem a circunstância, atentos ao que lhes é pedido fazer. A humanidade daqueles homens vem ao de cima nas conversas que cada um vai tendo, sobretudo com Luc e Christian. Todos se questionam e no final todos têm uma razão para ficar. Cheios de medo mas “sossegados”, em paz. Estamos aqui para viver, não para morrer, cada um o diz, à sua maneira, de sua própria boca. Várias vezes ao longo do filme, pensamos “é agora” que vai ser, a matança. Na noite de natal, por exemplo, o lider terrorrista invade o mosteiro e exige medicamentos. É-lhe dito, pelo superior, que eles tratam quem apareçe, e que a conversa é fora da casa, porque ali não entram armas. O muçulmano acaba por aceitar as condições e vai-se embora, após um belo diálogo (foto 1), que irá comprometer Christian, quando diante das autoridades argelinas – que lhe pedem para reconhecer, mais tarde, o seu corpo morto – ele, sem qualquer hesitação, e num sobressalto, o reconhece, afirmando que sim, que “é ele”. Christian baixa a cabeça, os olhos banhados, a persignação e as mãos cruzadas a rezar por aquele seu irmão, agora ali um cadáver. O olhar que lhe deita o oficial argelino marca-o (os) da forma que sabemos. Uns dias depois daquela noite de natal, e ainda o chefe terrorista vivo, eles voltam com o doente, e este é tratado por Luc. O que é visto, mais uma vez pelas autoridade argelinas, como os monges protegem e são protegidos terrorristas. Na última ceia, que antecede a captura, os “cisnes” já todos à mesa (incluindo um monge visitante, que tinha vindo trazer medicamentos, um livro, queijo, etc., e contar as notícias…), Luc vai buscar duas garrafas de vinho e põe, num gravador, a “abertura” de Taichkovsky. Todos se apercebem do que está a acontecer, e… para acontecer. A imagem, a música, os rostos, rolados pela câmara um a um, fazem um só bloco, e nada é dito. Ou melhor tudo é “dito”. 

Exortai-vos cada dia uns aos outros, até ao dia que se chama «Hoje» (Hebr 3, 13). Exortai-vos cada dia uns aos outros, até ao dia que se chama «Hoje» (Hebr 3, 13).

5 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Exortai-vos cada dia uns aos outros, até ao dia que se chama «Hoje» (Hebr 3, 13).

Links

imagens rasantes

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D